Estudo da língua inglesa pede muita leitura

Home/Sem categoria/Estudo da língua inglesa pede muita leitura

Estudo da língua inglesa pede muita leitura

Negligenciada por muitos, um bloqueio para outros, a prova de língua estrangeira dos vestibulares pode ser a diferença entre ser aprovado ou não. A palavra-chave, segundo professores de cursinho, é leitura.

“O aluno tem que ler. Pegar tudo o que caia em suas mãos em inglês. De revista até propaganda, passando pelos textos informativos dos canais de TV estrangeiros. No começo, todo mundo tem dificuldade, mas, aos poucos, o conhecimento vai sendo acumulado”, afirma a coordenadora de inglês do Objetivo, Maria Cristina Armaganijan.

“A compreensão da língua não se faz de um dia para o outro. É uma continuidade, um processo lento.”

A professora e autora do material de inglês do Anglo Sirlene Aparecida Aarão explica que o conhecimento de mundo pode influenciar na pontuação. “Ser uma pessoa plugada, saber das coisas que acontecem no mundo facilita o entendimento de textos. Por isso é importante ler, até mesmo em português”, diz.

De acordo com Sirlene, uma boa fonte de informação é a rede mundial de computadores. “A Internet dá acesso a inúmeras publicações. Não é possível devorar revistas estrangeiras, porque elas são caras. Mas fontes variadas estão disponíveis no computador. Os alunos não usam essas ferramentas com todo o potencial.”

O estudante Bruno Henrique Suzuki, 19, que vai prestar vestibular para relações internacionais, é um dos que exercitam o idioma em contato com o computador. “Para a Internet, é fundamental saber inglês. Por mais que exista orkut [www.orkut.com, site de relações e comunidades virtuais] em português, é preciso saber inglês. Senão, em algum momento você fica perdido.”

Além do uso na informática, Bruno tem contato com a língua em músicas (principalmente rock) e filmes. “Encaro a prova de inglês como oito pontos ganhos na Fuvest”, diz confiante. “Não sou tão dedicado para o inglês quanto sou para física, por exemplo. O inglês não é a prioridade, mas não o deixo de lado.”

Até 2003, Bruno fez curso de idiomas em uma escola especializada. Mesmo assim, não despreza as aulas do cursinho. “Elas são boas para não perder o contato com a língua. Na aula, o professor orienta a ficar esperto, dá dicas para os exames”, afirma.

O que não ler
Apesar de enfatizar a importância da vivência e da leitura, a professora Maria Cristina aponta que quadrinhos, por exemplo, podem não ser boas referências. “Gibi tem muita gíria -o que não ajuda na prova. Gíria é dinâmica demais”, diz. “Já música é bom quando a letra tem seqüência lógica, como a dos Beatles. As muito modernas podem não ajudar.”

Nas aulas do cursinho, a professora prefere não utilizar músicas. “Os alunos acabam prestando atenção no ritmo e não na letra”, afirma. “O que é lúdico pode atrair o estudante. Mas se o aluno não sentar e estudar, nada disso serve. Todo mundo acha que sabe inglês. Só que, quando o vestibulando pensa assim, ele pára e deixa de aprender.”

About the Author:

Leave A Comment